segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

Tarte de abóbora e queijo creme

Esta é uma tarte do estilo "cheesecake" que vai fazer sucesso agora que se avizinha a época dos jantares festivos. Nestas reuniões de família ou amigos sou sempre a que se oferece para levar a sobremesa e, sendo as tartes tão simples de transportar, são perfeitas para estas ocasiões.

A combinação de sabores de abóbora e queijo creme é subtil e deliciosa. Para experiências mais fortes (ver a receita original), a tarte pode ser coberta com frutos secos e caramelo, doce de abóbora ou açúcar em pó. Eu gosto dela só com as duas camadas mas no que toca à imaginação... the sky is the limit!


Ingredientes

1 embalagem de massa areada refrigerada
225 gr de queijo creme
1 colher (chá) de amido de milho
3 ovos
425 gr de abóbora (cozida, escorrida e reduzida a puré)
3/4 chávena (chá) + 4 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (chá) de canela em pó
1/2 colher (chá) de sal
200 ml de natas 

1. Pré-aquecer o forno a 180º C. Forrar uma tarteira com a massa areada (desta vez usei de compra mas já mostrei aqui como se faz) e levá-la ao forno por uns 10 minutos (colocar feijões ou arroz por cima para não deixar a massa crescer ou formar bolhas. Deixar arrefecer e remover os feijões);

2. Bater o queijo creme com 4 colheres de sopa de açúcar. Assim que esteja bem batido e sem grumos, juntar 1 ovo e voltar a bater. Dissolver o amido de milho num pouco de leite e juntar ao creme, envolvendo bem. Verter sobre a base de massa areada e levar 5 minutos ao forno para "prender" um pouco;

3. Entretanto, numa tigela, bater bem 2 ovos. Juntar o puré de abóbora, o restante açúcar, a canela e o sal e voltar a bater. Assim que se obtenha uma mistura homogénea, juntar as natas e misturar bem;

4. Verter cuidadosamente sobre a mistura de queijo creme, de forma a que os 2 cremes não se misturem. Levar ao forno uns 45 minutos, até que a tarte fique firme. Deixar arrefecer e levar ao frigorífico antes de servir.

terça-feira, 11 de Novembro de 2014

Creme de courgette

Verão de São Martinho são três dias e mais um bocadinho.
Se o Inverno não erra o caminho, tê-lo-ei pelo São Martinho.

A sabedoria popular não se entende acerca do São Martinho. Se por um lado há quem garanta que por estes dias o bom tempo queima os últimos cartuchos, parece que também há quem não hesite em dizer que é por agora que chega o Inverno.

Gosto mais da versão que fala do "Verão de São Martinho" e foi essa, e a respectiva lenda, que sempre associei a esta data.

Este ano parece que não tivemos sorte e o dia de São Martinho chega já muito frio e meio chuvoso. Para acompanhar as castanhas, vai saber bem uma sopinha quente e, como são tão ricas em hidratos de carbono, um creme low carb é o mais adequado para "compor" a refeição. E, voltando à sabedoria popular, não esquecer a regra mais importante do 11 de novembro:

No dia de São Martinho, lume, castanhas e vinho!



Ingredientes
(4 pessoas)

1 colher (sopa) de azeite
1 cebola picada
1 dente de alho picado
2 courgettes grandes
1 dl vinho branco
3 dl leite
3 dl água
Sal, pimenta e coentros picados q.b.

1. Refogar a cebola e o alho no azeite. Entretanto, lavar muito bem e cortar as courgettes em pedacinhos (eu prefiro deixar, pelo menos, alguma da casca. Assim preservo mais nutrientes e até gosto mais do sabor);

2. Adicionar à cebola, regar com o vinho e deixar cozer por uns 5 minutos, com a panela tapada. Juntar o leite e a água a ferver e deixar a cozer mais 10 minutos. Nessa altura reduzir a puré, temperar com sal e pimenta e cozer mais 5 minutos em lume brando;

3. Juntar coentros picados a gosto e servir.

segunda-feira, 18 de Agosto de 2014

Crumble de Verão

O meu forno não descansa, nem no Verão! Para optimizar o consumo energético e como somos só 2 cá em casa, comprei o ano passado um forno adicional, pequenino (não chega a 20 L) que é perfeito para gratinar, fazer bolinhos, salgadinhos e sobremesas como este crumble

O crumble é uma sobremesa rápida de fazer. Normalmente, faço-o enquanto cozinho a refeição principal e fica no forno enquanto comemos. Esta versão "de Verão" é uma celebração das frutas que invadem as nossas casas por esta altura: pêssegos, ameixas, alperces dão-lhe uma doçura e uma cor irresistível. Pode comer-se quentinho, acabado de sair do forno (adoro!) ou frio. De qualquer das formas, gosto de juntar uma bola de gelado, chantilly caseiro ou iogurte porque não resisto ao contraste de sabores!


Ingredientes
(4 pessoas)

4 chávenas (chá) de fruta em pedaços pequenos (usei pêssego, ameixa, alperce e maçã)
40 gr de açúcar
1 colher (sopa) de Vinho do Porto 
Canela em pó
150 gr de farinha
80 gr de açúcar amarelo
80 gr de margarina
Canela q. b.

1. Pré-aquecer o forno a 225º C. Descascar, descaroçar e cortar as frutas em pedaços pequenos. Colocá-las num recipiente que possa ir ao microondas e ao forno e juntar o açúcar, misturando;

2. Pincelar com o Vinho do Porto, tapar (se o recipiente não tiver tampa, usar película aderente) e levar ao microondas entre 6 a 8 minutos (a cerca de 600 w), parando por volta dos 3 minutos para verificar a cozedura e mexer;

3. Entretanto, misturar a farinha com o açúcar e um pouco de canela a gosto. Juntar a margarina cortada em pedaços e, com a ponta dos dedos, desfazê-la misturando-a com a farinha e o açúcar até obter uma areia grossa;

4. Espalhar esta massa sobre as maçãs e levar ao forno até ficar bem dourado.

sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

Bôla de carne rápida da tia Belinha

Esta é a receita de bôla de carne mais rápida que conheço. Um clássico da minha tia Belinha presente em vários lanches e serões em família.

O que torna esta bôla tão prática e rápida é que a massa não precisa de levedar. E quanto às carnes, já se sabe, ficam ao gosto de cada cozinheiro, mas deixo o truque que a minha tia me passou - para uma bôla cheia de sabor, não prescindir do chourição!


Ingredientes

4 ovos
1 chávena (chá) de leite
1/2 chávena (chá) de óleo
3 chávenas (chá) de farinha
1 colher (sopa) de fermento em pó
Sal q.b.
2 chávenas (chá) de carnes cortadas em pedaços pequenos (chourição, chouriço, bacon, fiambre, frango assado...)

1. Pré-aquecer o forno a 200º. Untar e polvilhar com farinha um tabuleiro;

2. Bater os ovos com o óleo e o leite. Juntar a farinha, o fermento e o sal e bater até misturar bem. Juntar as carnes e envolver;

3. Deitar a massa no tabuleiro e levar ao forno cerca de 30 minutos ou até que um palito saia seco.

quarta-feira, 9 de Julho de 2014

Torta de cenoura

Deve ser da timidez deste Verão que não levava os dias frescos embora, mas tenho continuado numa de bolos e doces. Julho pede praia, esplanadas e dias longos... como a meteorologia estava até agora quase proibitiva para tudo isso, a forma de evitar que a minha cabeça olhe para o calendário e me cobre aquilo que o tempo não me deixa dar-lhe, é ir para a cozinha produzir asneiras nutricionais.

Desta vez o resultado do meu ócio de veraneante frustrada foi uma torta enrolada de cenoura. Esta é daquelas tortas que fica bem húmida, quase como um pudim. Quando sai do forno tem que ser imediatamente enrolada com a ajuda de um pano ou papel vegetal, mantendo-se "presa" com o papel ou pano até arrefecer, de maneira a não perder a forma de rolo. É muito fácil e compõe qualquer mesa de festa à hora do lanche, podendo também ser servida como sobremesa. O sucesso, seja à hora que for, é garantido!


Ingredientes

500 gr de cenouras descascadas
sal q.b.
40 gr de margarina
1 laranja
185 gr de açúcar + 2 colheres (sopa)
4 ovos
50 gr de farinha
1 colher (chá) de fermento em pó

1. Cortar as cenouras em palitos e cozer em água com um pouco de sal. Escorrer bem e reduzir a puré;

2. Preparar um tabuleiro para tortas (25cm x 35cm), forrando com papel vegetal e untando com margarina. Pré-aquecer o forno a 220º;

3. Juntar a margarina e a raspa da casca de laranja ao puré de cenoura. Adicionar as 180 gr de açúcar e as gemas e bater até obter um creme homogéneo;

4. Bater as claras em castelo e envolvê-las no preparado anterior, alternando com a farinha peneirada com o fermento;

5. Deitar a massa no tabuleiro e levar ao forno durante 15 minutos. Desenformar sobre uma folha de papel vegetal ou pano polvilhado com açúcar e enrolar, mantendo o rolo preso com o pano até que arrefeça;

6. Depois de fria, regar a torta com o sumo da laranja adoçado com o restante açúcar.

quinta-feira, 3 de Julho de 2014

Bolo de agrião

No que diz respeito à inclusão de legumes e vegetais em bolos, sou do menos céptica que existe e este blogue está cheio de bons exemplos. Da courgette à abóbora, passando pela batata-doce e pela beterraba, tenho tido óptimas experiências neste campo e por isso não hesitei nem um bocadinho antes de me lançar na aventura deste bolo de agrião.

Já tinha visto vários por essa blogosfera fora e o excesso de agriões no frigorífico ditou a hora de tentar a minha sorte. Fundi duas das receitas que encontrei, criando a minha própria versão. Adorei o resultado e este bolo de aspecto exótico foi um sucesso cá em casa, provando, mais uma vez, que o cepticismo nunca deve passar da porta da cozinha.


Ingredientes

4 ovos
1 dl de óleo
0,5 dl de leite
100 gr de agrião
2 chávenas (chá) de açúcar
2 chávenas (chá) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de vinho do Porto
1 colher (chá) de fermento em pó

1. Pré-aquecer o forno a 180. Untar com margarina e polvilhar com farinha uma forma de buraco no meio; 

2. No liquidificador ou copo da varinha mágica colocar os agriões, as gemas, o açúcar, o óleo, leite e o vinho do Porto, reduzindo tudo a puré; 

3. Transferir para um tigela, juntar a farinha e o fermento e bater bem; 

4. Bater as claras em castelo e envolver suavemente no creme de agriões. Deitar na forma previamente preparada e levar ao forno cerca de 40 minutos ou até que um palito saia limpo.

Cobertura de chocolate (facultativa):

2/3 chávena (chá) de chocolate em pó
1/2 chávena (chá) de açúcar
100 ml de natas

1. Num tacho, juntar todos ingredientes, mexendo bem até obter a consistência desejada;

2. Desenformar o bolo depois de frio e cobrir com o creme de chocolate, barrando com uma espátula para espalhar bem. 


quinta-feira, 12 de Junho de 2014

Tarte tatin de alperces

A tarte tatin é uma tarte invertida. Isto é, a fruta é colocada na base e coberta com a massa. Ao desenformar, a fruta caramelizada (originalmente, maçãs) fica por cima.

Procurava uma receita onde pudesse "aplicar" uns alperces que tinha cá em casa e que ninguém apreciava particularmente. Não procurava especificamente uma tarte tatin, mas esta pareceu-me a solução ideal e, para primeira experiência, gostei bastante do resultado. Para a próxima vez, em vez de deixar a calda atingir o ponto de caramelo, vou retirá-la um pouco antes do lume. Isto porque quando levamos a tarte ao forno, o caramelo continua a "queimar", tornando-se depois um pouco amargo. 

Como grande apreciadora de bolos feitos com fruta fresca e depois desta primeira experiência tão bem sucedida, certamente voltarei às tartes tatin. A de alperces é assim:

Ingredientes
(8 a 10 doses)

10 a 12 alperces, cortados em metades e descaroçados
1 + 3/4 chávena (chá) de açúcar
6 colheres (sopa) de manteiga
2 ovos grandes
1 iogurte natural
raspa de 1/2 limão
1 1/4 chávena (chá) de farinha
1/2 colher (chá) de fermento em pó
1/4 colher (chá) de sal
Margarina para untar a forma
Açúcar em pó para polvilhar


1. Pré-aquecer o forno a 180º. Untar com margarina uma tarteira de cerâmica e dispor as metades de alperce por cima, com o corte para baixo;

2. Num tacho, misturar 1 chávena de açúcar e 1/3 de chávena de água. Levar ao lume agitando o tacho de vez em quando mas sem mexer. Retirar assim que começar a tomar um tom alaranjado (não deixar atingir o ponto de caramelo) e regar os alperces com esta calda. Reservar;

3. Bater a manteiga com o restante açúcar. Juntar um ovo de cada vez, continuando sempre a bater. Juntar o iogurte e a raspa de limão, envolvendo bem;

4. Peneirar a farinha com o fermento e o sal e juntar à mistura anterior, mexendo apenas até estar bem ligado;

5. Cobrir os alperces com esta massa e levar ao forno 30 a 40 minutos. Deixar arrefecer uns 15 minutos e desenformar. Servir morna (fica óptima com uma bola de gelado!) ou fria, polvilhando com açúcar em pó.